Para o paciente

Estenose Aórtica

Doenças cardiovasculares continuam sendo a maior causa de mortes no mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde. Estima-se que atualmente, cerca de 150 mil brasileiros acima de 75 anos possuam estenose aórtica severa. De acordo com o cardiologista Marcelo Queiroga, 1 a cada 20 idosos sofre dessa enfermidade.
O tratamento consiste no implante de uma válvula artificial por intermédio de técnicas de cateterismo cardíaco, conhecido como TAVI (do inglês: Transcatheter Aortic Valve Implantation) e foi desenvolvida em 2002 pelo médico francês Alain Cribier.
A estenose aórtica é caracterizada pela diminuição da área de abertura da válvula aórtica, dificultando assim o fluxo de sangue no coração e, de acordo com Marcelo Queiroga, não há terapia medicamentosa para essa enfermidade e "quando não tratada, pode levar à morte em até 3 anos".
A esses pacientes indica-se a substituição da válvula doente por meio de cirurgia, porém, cerca de 30% dessas pessoas não podem fazê-la por causa da idade ou de doenças que aumentam o risco de óbito na operação. E à eles indica-se o TAVI.
No procedimento TAVI, o cateter pode ser inserido através da artéria femoral (na virilha) ou de uma pequena incisão no peito, próximo do coração.
Segundo Marcelo Queiroga, "o TAVI foi comparado ao tratamento convencional em pacientes com estenose aórtica, considerados inoperáveis, e resultou em uma expressiva redução de 20% do risco de morte nesses enfermos".
No Brasil, de acordo com o médico, mais de 2 mil pacientes já foram tratados com TAVI, desde 2008. "Assim, podemos assegurar que os resultados nacionais são equiparáveis os dos melhores centros mundiais", completa.
No mundo, mais de 200 mil procedimentos de TAVI foram realizados, sendo a Alemanha o país que mais realiza o método por milhão de habitantes. Nos Estados Unidos são realizados mais de 9 mil procedimentos por ano.Para Marcelo, "certamente a terapia valvar por cateter representa uma nova era na medicina".

ENVELHECIMENTO O aumento nos casos de Estenose Aórtica está intimamente ligado ao envelhecimento da população do Brasil.
Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2030, o grupo de idosos acima de 60 anos será maior que o grupo de crianças com até 14 anos. E apesar das estatísticas, este tratamento ainda não é fornecido pelo Sistema Unico de Saúde do Brasil (SUS). Na prática, para ter acesso ao tratamento (TAVI), o paciente deve possuir plano de saúde (Saúde Suplementar) ou até buscar a justiça.